Arquivo

Archive for setembro \25\UTC 2008

A MENINA SEM CEREBRO: CONHEÇA O CASO MARCELA.

setembro 25, 2008 2 comentários


No dia 1º de agosto de 2008, sexta-feira, às 22 horas, na Santa Casa de Misericórdia de Franca (SP) morreu Marcela de Jesus Ferreira, quebrando todos os recordes de sobrevivência de uma criança anencéfala. Os anencéfalos costumam ter uma breve vida extra-uterina. Segundo o Comitê Nacional de Bioética do governo italiano, “foi relatado um caso único de sobrevivência até 14 meses (8) e dois casos de sobrevivência de 7 a 10 meses, sem recorrer à respiração mecânica”[1]. Marcela, porém, nascida em Patrocínio Paulista (SP) em 20 de novembro de 2006, faleceu após 1 ano, 8 meses e 12 dias de nascida. Gordinha, com 15 kg e 72 cm, e muito risonha (famosa pelas gargalhadas que dava quando sua mãe lhe fazia cócegas), Marcela respirava normalmente, quase não dependendo do concentrador de oxigênio. No dia 18 de abril de 2007, com quase cinco meses de nascida, a menina recebeu alta da Santa Casa de Misericórdia de Patrocínio Paulista. Segundo a médica Dra. Regina Helena de Freitas Lopes, Marcela “modificou todo o hospital” onde ficou internada. “Houve maior entrosamento, maior união… Valia a pena a gente estar lutando por ela”.
Após a alta hospitalar, Marcela foi com sua mãe Cacilda Galante Ferreira morar em uma casa na cidade. A necessidade de estar perto de um lugar com assistência médica impediu-as de irem para o sítio da família, onde vive o pai de Marcela, agricultor, Sr. Dionísio Justino Ferreira, com as duas filhas do casal: Débora (19 anos) e Dirlene (16 anos). Em 20 de novembro de 2007, Marcela comemorou seu primeiro aniversário. Em 26 de março de 2008, o Diácono Fábio Costa, que a havia batizado na Santa Casa, logo após o nascimento, completou os ritos do Batismo. Foram padrinhos o prefeito e a primeira dama de Patrocínio Paulista.

A saúde de Marcela parecia muito boa até as 7 horas do dia 1º de agosto de 2008, quando ela vomitou após tomar o leite dado por sua mãe pela sonda nosogástrica. Ao perceber que sua filha ficou arroxeada e com dificuldade de respirar, Sra. Cacilda levou-a imediatamente à Santa Casa de Misericórdia de Patrocínio Paulista, onde foi feita uma radiografia que constatou pneumonia aspirativa total do lado direito. Dra. Regina Helena crê que a pneumonia tenha sido causada por aquele vômito ou por um vômito do dia anterior. Às 12h30min, Marcela sofreu uma parada cardiorrespiratória, mas recuperou-se através de massagens e de um micro-ressuscitador. A médica pediu então uma vaga na Santa Casa de Misericórdia de Franca, ao mesmo tempo em que perguntou para a mãe: “Cacilda, você está preparada?”. A resposta foi firme: “Eu sempre estive preparada. Ela é minha enquanto Deus quiser. Ela foi um anjo que Deus me deu”. Às 14h15min foi comunicada a existência de uma vaga em Franca. Marcela e Sra. Cacilda foram à Santa Casa daquela cidade, acompanhados da médica pediatra Dra. Márcia Beani. Internada na UTI daquele hospital, Marcela iria falecer às 22 horas. No dia seguinte, após um grande velório (“todo o mundo queria pegar na mãozinha dela”, diz sua mãe), o corpo de Marcela foi sepultado às 17 horas no Cemitério Municipal de Patrocínio Paulista.

Interrogada sobre a morte de sua filha, Sra. Cacilda afirma: “Triste eu fiquei. Mas chorar, eu não chorei. Eu não estou perdendo ela. Deus está vindo buscar uma coisa que é dele, a jóia rara que eu cuidei. Estou sentindo a falta dela, mas a consciência está tranqüila. Fiz a escolha certa: a vida dela”.

Segundo a mãe, “Marcela uniu mais a família… A gente fez tantos amigos… Agora ela está lá na presença de Deus, cuidando de mim, me dando forças para suportar a falta dela”. A frase que sintetiza o pensamento de Sra. Cacilda é esta: “Só tenho que agradecer”.

——————————————————————————–

Peculiaridades do caso Marcela

O Brasil conhece outro caso de anencefalia em que a criança recebeu alta hospitalar: Maria Teresa, nascida em 17/12/2000, em Fortaleza (CE), recebeu alta depois de 19 dias e só veio a falecer em 29/03/2001, portanto com mais de três meses de nascida.[2]

Outro caso particularmente chocante foi o de Manuela Teixeira, de Sobradinho (DF), que teve seu aborto recomendado aos sete meses por uma promotoria de justiça do Distrito Federal. O diagnóstico era de acrania (ausência de calota craniana). Se a criança houvesse morrido ao ser expulsa, o aborto teria sido consumado. No entanto, a criança não morreu ao sair da mãe, embora essa fosse a vontade dos médicos. Manu (ou Manuela) nasceu com 1780 g e não tinha ausência total do crânio, como os médicos previam. Parte do crânio não existia e o cérebro estava exposto.[3] Manuela só viria a morrer com três anos de nascida, no dia 14 de setembro de 2003. Seus pais sepultaram-na no cemitério de Brazlândia (DF).[4]

Alguém poderia dizer que Manuela só viveu tanto tempo por causa da parte do cérebro que lhe restava. O mesmo não se pode dizer de Marcela, no qual ambos os hemisférios cerebrais estavam ausentes. Em novembro de 2007, o jornal O Estado de São Paulo anunciou que Marcela não era anencéfala, com base na palavra de um médico da Unicamp[5]. Porém, alguns dias depois, em uma consulta feita pela Folha de São Paulo a nove especialistas, oito afirmaram que Marcela era mesmo anencéfala.[6] Percebe-se na discussão o desespero dos abortistas em justificar um prognóstico que falhou: o de que a menina morreria logo após o nascimento.

Não apenas Marcela viveu ainda 20 meses depois de nascida, como nem sequer houve relação direta entre a anencefalia e a sua morte! Ouçamos a palavra da pediatra Márcia Beani: “Achávamos que ela teria algum tipo de problema no futuro, pois com o desenvolvimento do corpo, ela poderia sofrer de falência múltipla dos órgãos, em razão da ausência cerebral. No entanto, a morte pela aspiração do leite poderia ocorrer com uma criança sadia, por exemplo, e nada tem a ver com o problema que a Marcela apresentava”[7]. Em outras palavras: se não fosse o acidente ocorrido, Marcela poderia, em tese, estar ainda hoje viva e sorrindo!

——————————————————————————–

Vidas salvas por Marcela

É impossível dizer quantos abortos deixaram de ser praticados por causa de Marcela. A título de ilustração, cite-se o parecer do Procurador de Justiça do Rio Grande do Sul Dr. Sérgio Guimarães Brito, de 1º de novembro de 2007, contra o aborto de uma criança anencéfala[8] e a sentença do juiz de direito da comarca de Natal (RN) Dr. Odinei W. Draeger, publicada em 30 de junho de 2008, indeferindo o pedido de abortamento de um bebê anencéfalo[9]. Em ambas as peças os juristas citam o caso de Marcela para ilustrar sua posição pró-vida.

——————————————————————————–

Quanto ainda não se sabe sobre o cérebro

A passagem de Marcela entre nós — rindo, chorando, reagindo às luzes dos fotógrafos, percebendo claramente a aproximação da mãe — obriga os neurologistas a rever o dogma de que é impossível haver consciência sem a presença do córtex cerebral.

Aliás, já em 1980, o redator da revista Science Roger Lewin publicava um artigo questionando: “seu cérebro é realmente necessário?” (Is your brain really necessary?). Na ocasião, ele citava um interessante texto do neurologista britânico John Lorber:

“Um dos alunos que estuda nesta universidade [Sheffield University] tem um QI de 126, ganhou prêmios como melhor aluno de matemática e tem uma vida social normal. Mas não tem cérebro, literalmente falando… Quando foi submetido a um exame, verificamos que em vez de um cérebro normal de espessura de 4,5 centímetros entre os ventrículos e a superfície cortical, havia apenas uma fina camada de tecido de pouco mais de um milímetro de espessura. Seu crânio é preenchido apenas com fluido cerebrospinal.” [10]

——————————————————————————–

A ADPF 54

Durante o tempo em que Marcela esteve conosco, a Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 54 (ADPF 54), que pretende que o Supremo Tribunal Federal declare “atípico” o aborto de anencéfalos, ficou paralisada. Poucos dias após a morte de Marcela, em 7 de agosto de 2008, o relator Ministro Marco Aurélio expediu ofícios a diversas entidades convidando-as a participar de uma audiência pública sobre o tema. O evento, marcado para os dias 26, 27 e 28 de agosto, parece ter sido montado para favorecer a causa abortista. Das onze entidades convidadas, apenas duas são pró-vida: a CNBB e a Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família. Estas deverão falar no mesmo dia que o da organização pró-aborto “Católicas pelo Direito de Decidir” e da Igreja Universal do Reino de Deus, também esta favorável ao aborto. Além disso, o relator teve o cuidado de chamar para falar o deputado pró-aborto José Aristodemo Pinotti (DEM/SP). E quanto à Marcela? “O ministro não pretende convidar parentes de bebês com anencefalia, como a mãe da menina Marcela de Jesus Ferreira, que, apesar de ter sido diagnosticada com anencefalia, viveu 1 ano e 8 meses. ‘Vamos atuar mais no campo técnico’, afirmou”[11]. De fato, a simples lembrança dessa menina traria para um ministro um obstáculo à aprovação da ADPF 54…

Rio de Janeiro, 19 de agosto de 2008.

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz

Presidente do Pró-Vida de Anápolis

Anúncios
Categorias:Uncategorized

PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA

setembro 25, 2008 Deixe um comentário


A PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS NO MUNDO
Filed under: Perseguição religiosa — Prof. Felipe Aquino at 11:10 pm on Wednesday, June 4, 2008

O site http://www.portasabertas.org.br se dedica a mostrar a grande perseguição que acontece hoje no mundo todo aos cristãos; cresce a chamada “cristianofobia”. Muitos paises não obedecem a liberdade religiosa.

“Portas Abertas”, que também tem uma revista com o mesmo nome, se dedica a rezar e a trabalhar pelas vítimas desta perseguição no mundo todo. Ele criou uma Classificação, de 0 a 100, dos paises que mais perseguem o cristianismo. Afirma o site que “ela é muito útil para manter você sempre alerta em relação aos países mais fechados ao Evangelho e acompanhar aqueles em que a perseguição está se tornando mais intensa.”

Na lista dos 50 países onde a perseguição é maior, temos: 1 – Coréia do Norte (90,5); 2 – Arábia Saudita (64,5); 3 – Irã (64); 4 – Maldivas (61); 5 – Butão (58); Iêmen; Afeganistão; Laos; Uzbequistão; China; Eritréia; Somália; Turcomenistão; Comores; Paquistão; Catar; Vietnã; Chechênia; Egito; Zanzibar; Iraque; Azerbaijão; Líbia ;Mauritânia; Myanmar; Sudão; (Norte); Omã; Cuba; Brunei; Índia ;Argélia; Nigéria (Norte); Djibuti; Turquia; Kuweit; Sri Lanka; ;Tadjiquistão; Emirados Árabes Unidos; Jordânia; Marrocos; Belarus; Palestina; Etiópia; Síria; Barein; Tunísia; Indonésia; Bangladesh; Quênia (Nordeste); Colômbia (Áreas de conflito).

Vamos aqui dar alguns exemplos concretos dessa perseguição, trazida no citado site, apenas noticiados nesta semana:

1 – Polícia liberta 25 cristãos mediante pagamento de alta fiança

ERITRÉIA (11º) – Dois grupos de cristãos que estavam detidos foram soltos na Eritréia, de acordo com a agência de notícias “Compass Direct”. Dez membros da Igreja do Deus Vivo, denominação dissidente da Igreja Ortodoxa Eritréia, foram libertados depois de ficarem três meses presos na delegacia de polícia de Mendefera. Segundo relatos, outras 15 pessoas, membros da Igreja Kale Hiwot, que estavam presas na delegacia de polícia de Keren, também foram soltas. Todos os cristãos libertados foram obrigados a pagar uma fiança de aproximadamente de R$ 8.000,00 por pessoa. (04. junho. 2008)

2 – Habiba Kouider foi pressionada a renunciar a Cristo

ARGÉLIA (31º) – Habiba Kouider, 35 anos, foi humilhada em um ônibus intermunicipal fora da cidade de Tiaret, onde mora, no dia 29 de março, depois que um policial encontrou várias Bíblias e livros sobre cristianismo em sua bolsa de mão. Detida por 24 horas e interrogada pela polícia por causa de sua conversão, ela foi levada a um promotor público do Estado. “Volte para o islamismo e eu deixarei o caso de lado; se você insistir no pecado, você vai experimentar a justiça”, disse o promotor para ela, segundo o jornal francês “Le Figaro”. (04.jun. 2008)

3 – Programa de televisão incita a intolerância religiosa UZBEQUISTÃO (9º) – No sábado, 17 de maio, foi ao ar o primeiro programa de televisão uzbeque estatal com o intuito de atacar as minorias religiosas, em especial, os cristãos evangélicos que geralmente com partilham a fé deles com os demais. No foco do programa, as “atividades missionárias” descritas como “um problema global de dogmatismo religioso, fundamentalismo, terrorismo e vício de drogas”. (02. jun. 2008)

4 – Líder cristão é espancado por trabalhar com somalis QUÊNIA (49º) – Jared, um líder cristão queniano, foi assaltado por um grupo de somalis próximo à casa dele em Wajir, a noroeste do Quênia, na noite de 12 de maio. Os agressores o espancaram, xingaram, o apunhalaram e Jared teve que ser levado para o hospital em Nairóbi com ferimentos graves. Não é a primeira vez que Jared passa por uma experiência de perseguição por causa de suas atividades evangelísticas junto aos imigrantes somalis. (02. jun.2008)

5 – Bispo manifesta preocupação com liberdade religiosa na Espanha

ESPANHA (*) – O bispo de Tarazona, na Espanha, dom Demetrio Fernández González, expressou em sua última carta pastoral a preocupação com a reforma da lei sobre a liberdade religiosa na Espanha, anunciada pelo governo e pronta para ser aplicada. Segundo o prelado, essa reforma pode “contemplar posições expressas das quais emerge a vontade de eliminar toda e qualquer manifestação religiosa do âmbito público”. Dom Fernández González ressaltou que “não é um problema que outras religiões presentes na Espanha adquiram o reconhecimento de todos os seus direitos civis”. (31/maio/2008) 6 – Oficiais invadem reunião de oração pelas vítimas do terremoto CHINA (10º) – A Associação de Ajuda à China (CAA, sigla em inglês) recebeu a notícia de que dois oficiais do Partido Comunista de Pequim invadiram um culto de oração em uma igreja doméstica no distrito de Haidian às 19h30 do dia 15 de maio. Testemunhas oculares relataram que uma dezena de cristãos estava reunida orando pelas vítimas do terremoto de Sichuan e pelos Jogos Olímpicos na casa do conhecido cristão defensor dos direitos humanos, o doutor Fan Yafeng, quando os oficiais invadiram o encontro e declararam aquela reunião como um “ajuntamento ilegal.” (30/5/2008)

7 – Doze pessoas presas em operação para sufocar o cristianismo IRÃ (3º) – A polícia da cidade de Shiraz, no sul do Irã, realizou uma operação contra cristãos convertidos do islamismo, prendeu membros de três famílias, confiscou livros e computadores. A operação começou às 17h do dia 11 de maio, quando dois casais foram presos antes de embarcarem em um avião no Aeroporto Internacional de Shiraz e mandados diretamente para a prisão. Os casais foram submetidos a um interrogatório que demorou horas e cujo teor foi “sua fé e atividades da igreja doméstica”, disse uma fonte iraniana ao Compass. (30/5/2008)

8 – Gujarat adota legislação para coibir conversões de hindus ÍNDIA (30º) – O partido nacionalista hindu Bharatiya Janata (BJP, sigla em inglês) ativou no Estado Gujarat a lei anticonversão de 2003, aumentando o medo dos cristãos de que isso abra portas para falsas acusações por parte de extremistas hindus. O Ato de Liberdade de Religiosa da Índia afirma que as leis anticonversão são supostamente para conter conversões religiosas feitas “à força”, “por fraude” ou “por aliciamento”. (31/5/2008)

Neste site é possível conhecer de perto a perseguição que se dá contra o cristianismo no mund

Categorias:Uncategorized

DOUTRINA SOBRE O PURGATORIO

setembro 25, 2008 Deixe um comentário


PROF. FELIPE AQUINO.

O PURGATÓRIO NA BIBLIA
Filed under: Purgatório — Prof. Felipe Aquino at 5:41 pm on Friday, October 26, 2007
Muitos me perguntam onde está na Bíblia o Purgatório? Ele é uma exigência da razão e mesmo da caridade de Deus por nós. A palavra “Purgatório” não existe na Bíblia, foi criada pela Igreja, mas a realidade, o “conceito doutrinário” deste estado de purificação existe amplamente na Sagrada Escritura como vamos ver. A Igreja não tem dúvida desta realidade por isso, desde o primeiro século reza pelo sufrágio das almas do Purgatório.

1 – São Gregório Magno (†604), Papa e doutor da Igreja, explicava o Purgatório a partir de uma palavra de Jesus: “No que concerne a certas faltas leves, deve-se crer que existe antes do juízo um fogo purificador, segundo o que afirma aquele que é a Verdade, dizendo que se alguém tiver pronunciado uma blasfêmia contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado nem no presente século nem no século futuro (Mt 12,31). Desta afirmação podemos deduzir que certas faltas podem ser perdoadas no século presente, ao passo que outras, no século futuro” (Dial. 41,3). O pecado contra o Espírito Santo, ou seja a pessoa que recusa de todas as maneiras os caminhos da salvação, não será perdoado nem neste mundo, nem no mundo futuro. Mostra o Senhor Jesus, então, neste trecho, implicitamente, que há pecados que serão perdoados no mundo futuro, após a morte.

2 – O ensinamento sobre o Purgatório tem raízes já na crença dos próprios judeus do Antigo Testamento; cerca de 200 anos antes de Cristo, quando ocorreu o episódio de Judas Macabeus. Narra-se aí que alguns soldados judeus foram encontrados mortos num campo de batalha, tendo debaixo de suas roupas alguns objetos consagrados aos ídolos, o que era proibido pela Lei de Moisés. Então Judas Macabeus mandou fazer uma coleta para que fosse oferecido em Jerusalém um sacrifício pelos pecados desses soldados. “Então encontraram debaixo da túnica de cada um dos mortos objetos consagrados aos ídolos de Jâmnia, coisas proibidas pela Lei dos judeus. Ficou assim evidente a todos que haviam tombado por aquele motivos… puseram-me em oração, implorando que o pecado cometido encontrasse completo perdão… Depois [Judas] ajuntou, numa coleta individual, cerca de duas mil dracmas de prata, que enviou a Jerusalém para que se oferecesse um sacrifício propiciatório. Com ação tão bela e nobre ele tinha em consideração a ressurreição, porque, se não cresse na ressurreição dos mortos, teria sido coisa supérflua e vã orar pelos defuntos. Além disso, considerava a magnífica recompensa que está reservada àqueles que adormecem com sentimentos de piedade. Santo e pio pensamento! Por isso, mandou oferecer o sacrifício expiatório, para que os mortos fossem absolvidos do pecado” (2Mc 12,39-45).

O autor sagrado, inspirado pelo Espírito Santo, louva a ação de Judas: “Se ele não esperasse que os mortos que haviam sucumbido iriam ressuscitar, seria supérfluo e tolo rezar pelos mortos. Mas, se considerasse que uma belíssima recompensa está reservada para os que adormeceram piedosamente, então era santo e piedoso o seu modo de pensar. Eis porque ele mandou oferecer esse sacrifício expiatório pelos que haviam morrido, afim de que fossem absolvidos do seu pecado”. (2 Mac 12,44s) .Neste caso, vemos pessoas que morreram na amizade de Deus, mas com uma incoerência, que não foi a negação da fé, já que estavam combatendo no exército do povo de Deus contra os inimigos da fé. Cometeram uma falta que não foi mortal.

Fica claro no texto de Macabeus que os judeus oravam pelos seus mortos e por eles ofereciam sacrifícios, e que os sacerdotes hebreus já naquele tempo aceitavam e ofereciam sacrifícios em expiação dos pecados dos falecidos e que esta prática estava apoiada sobre a crença na ressurreição dos mortos. E como o livro dos Macabeus pertence ao cânon dos livros inspirados, aqui também está uma base bíblica para a crença no Purgatório e para a oração em favor dos mortos.

3 – Com base nos ensinamentos de São Paulo, a Igreja entendeu também a realidade do Purgatório. Em 1Cor 3,10, ele fala de pessoas que construíram sobre o fundamento que é Jesus Cristo, utilizando uns, material precioso, resistente ao fogo (ouro, prata, pedras preciosas) e, outros, materiais que não resistem ao fogo (palha, madeira). São todos fiéis a Cristo, mas uns com muito zelo e fervor, e outros com tibieza e relutância. E S. Paulo apresenta o juízo de Deus sob a imagem do fogo a provar as obras de cada um. Se a obra resistir, o seu autor “receberá uma recompensa”; mas, se não resistir, o seu autor “sofrerá detrimento”, isto é, uma pena; que não será a condenação; pois o texto diz explicitamente que o trabalhador “se salvará, mas como que através do fogo”, isto é, com sofrimentos.

4 – Na passagem de Mc 3,29, também há uma imagem nítida do Purgatório:”Mas, se o tal administrador imaginar consigo: ‘Meu senhor tardará a vir’. E começar a espancar os servos e as servas, a comer, a beber e a embriagar-se, o senhor daquele servo virá no dia em que não o esperar (…) e o mandará ao destino dos infiéis. O servo que, apesar de conhecer a vontade de seu senhor, nada preparou e lhe desobedeceu será açoitado com numerosos golpes. Mas aquele que, ignorando a vontade de seu senhor, fizer coisas repreensíveis será açoitado com poucos golpes.” (Lc 12,45-48). É uma referência clara ao que a Igreja chama de Purgatório. Após a morte, portanto, há um “estado” onde os “pouco fiéis” haverão de ser purificados.

5 – Outra passagem bíblica que dá margem a pensar no Purgatório é a de (Lc 12,58-59): “Ora, quando fores com o teu adversário ao magistrado, faze o possível para entrar em acordo com ele pelo caminho, a fim de que ele não te arraste ao juiz, e o juiz te entregue ao executor, e o executor te ponha na prisão. Digo-te: não sairás dali, até pagares o último centavo.”

O Senhor Jesus ensina que devemos sempre entrar “em acordo” com o próximo, pois caso contrário, ao fim da vida seremos entregues ao juiz (Deus), nos colocará na “prisão” (Purgatório); dali não sairemos até termos pago à justiça divina toda nossa dívida, “até o último centavo”. Mas um dia haveremos de sair. A condenação neste caso não é eterna. A mesma parábola está´ em Mt 5, 22-26: “Assume logo uma atitude reconciliadora com o teu adversário, enquanto estás a caminho, para não acontecer que o adversário te entregue ao juiz e o juiz ao oficial de justiça e, assim, sejas lançado na prisão. Em verdade te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo” . A chave deste ensinamento se encontra na conclusão deste discurso de Jesus: “serás lançado na prisão”, e dali não se sai “enquanto não pagar o último centavo”.

6 – A Passagem de São Pedro 1Pe 3,18-19; 4,6, indica-nos também a realidade do Purgatório:”Pois também Cristo morreu uma vez pelos nossos pecados (…) padeceu a morte em sua carne, mas foi vivificado quanto ao espírito. É neste mesmo espírito que ele foi pregar aos espíritos que eram detidos na prisão, aqueles que outrora, nos dias de Noé, tinham sido rebeldes (…).” Nesta “prisão” ou “limbo” dos antepassados, onde os espíritos dos antigos estavam presos, e onde Jesus Cristo foi pregar durante o Sábado Santo, a Igreja viu uma figura do Purgatório. O texto indica que Cristo foi pregar “àqueles que outrora, nos dias de Noé, tinham sido rebeldes”. Temos, portanto, um “estado” onde as almas dos antepassados aguardavam a salvação. Não é um lugar de tormento eterno, mas também não é um lugar de alegria eterna na presença de Deus, não é o céu. È um “lugar” onde os espíritos aguardavam a salvação e purificação comunicada pelo próprio Cristo.

Do livro: Purgatório. O que a Igreja ensina

Categorias:Uncategorized

UMA RESPOSTA AO DR. DRAUZIO VARELLA

setembro 21, 2008 1 comentário


O médico Drauzio Varella escreveu no jornal “Folha de São Paulo” (17 março 2007, Ilustrada) uma matéria intitulada “O Crime da Camisinha”, onde acusa a Igreja Católica e a CNBB de fazerem pressão sobre os políticos para a não distribuição da famigerada camisinha, e ainda mais, acusa a Igreja Católica de “crime continuado” e culpada de muitos morrerem por infecção da AIDS. Escreveu o médico que: “A CNBB afronta o presidente da República porque pretende reafirmar para os políticos menos poderosos que sua “posição é clara. Não mudou nem mudará”.
Se não mudou nem mudará, pergunto: por quanto tempo a Igreja Católica cometerá o crime continuado de dificultar o acesso dos brasileiros à camisinha, em plena epidemia de uma doença sexualmente transmissível, incurável? Quanto sofrimento humano esses senhores de aparência piedosa ainda causarão em nome de Deus, impunemente?” Não sou representante da CNBB, mas sou católico e me sinto no dever e no direito de responder a esse médico que pode entender um pouco de medicina, mas deixa muito a desejar sobre ética e de moral. Em primeiro lugar, a Igreja não faz pressão sobre os políticos, ela apenas ensina ao povo de Deus a verdade legada por Jesus Cristo; se a sua influência junto ao povo é grande, é porque a Igreja é amada e respeitada por esse povo católico. Os filhos da Igreja já derramaram muito sangue, em todos os vinte séculos, para defender a Verdade ensinada por Cristo à Igreja, sempre assistida pelo Espírito Santo, e não é hoje que a Igreja vai abdicar da Verdade que liberta. É muito cômodo, fácil e rápido distribuir fartamente camisinhas aos jovens para transarem à vontade, mas a Igreja não aceita “soluções fáceis”, rápidas, cômodas e imorais para problemas difíceis; pois ela sabe que ao invés de resolver o problema irá agravá-lo ainda mais. Ninguém cura câncer dando apenas analgésico para o doente. A Igreja Católica vê o homem e a mulher como seres criados à “imagem e semelhança de Deus”, dotados de corpo e de alma espiritual e imortal, e não apenas um composto orgânico formado apenas de um amontoado de carne, ossos e nervos, sem destino eterno. É essa visão pobre do homem que leva muitos a aceitarem o aborto, a eutanásia, a manipulação de embriões, o uso da camisinha, o casamento de homossexuais, e outras imoralidades. Eles vêem o homem apenas como um animal mais aperfeiçoado, enquanto a Igreja o vê como um filho amado de Deus, por quem permitiu até o sacrifício do Seu Filho amado na Cruz. O Dr. Varella acusa a Igreja de “crime continuado”, mas eu gostaria de dizer que crime continuado é entregar um pacote de camisinha para uma jovem viver vida sexual com um namorado hoje, e com outro amanhã, iniciando-se num caminho de prostituição e promiscuidade. Isto é que um crime hediondo; substituir a educação moral e religiosa pela depravação sexual. Crime Dr. Varella é ensinar os jovens a viver o sexo sem responsabilidade e sem um compromisso de vida com outra pessoa, com uma família, fazendo dele apenas um meio de prazer vazio.
A virulência da AIDS pôs às claras a miséria moral de nossa civilização. O rei está nu, como se diz. Não tendo força e princípios morais para enfrentar este flagelo, nossa miserável sociedade não é capaz de oferecer aos jovens algo melhor do que uma degradante camisinha. É nos momentos de crise que se conhece a fortaleza moral de um homem e de uma sociedade. John Spalding dizia que as civilizações não perecem por falta de ciência ou de poder, mas por falta de princípios morais. Um homem sem esses princípios é uma caricatura de homem. É isto que queremos para a nossa juventude?
O compromisso da Igreja Católica é com o Seu Senhor; por isso ousa enfrentar o descalabro moral e vexaminoso da propaganda da camisinha que se assiste nas ruas, escolas, jornais, televisão, rádios, clubes, etc.
A propaganda explícita do preservativo, tornou-se uma declaração de “ liberdade sexual ”; uma vivência sexual sem compromisso, sem amor, sem fidelidade, totalmente fora dos planos de Deus. É a pior deseducação que os nossos jovens já receberam! São tratados como animaizinhos que devem aprender a comer, beber, dormir, gozar e morrer. Além do mais, a FDA – Food and Drug Admnistration, e a Organização Mundial da Saúde (OMS) já avisaram que os preservativos não impedem totalmente a contaminação do vírus. A camisinha deixa passar por seus poros o espermatozóide que é 500 vezes maior que o vírus da AIDS. A Rubber Chemistry & Technology, Washington, D.C., junho de 1992, afirma que: “Todos os preservativos têm poros 50 a 500 vezes maiores que o virus da AIDS”.
Além desse fator, vários problemas da camisinha (má qualidade, má conservação, etc) podem fazer com que ela falhe em até 30% dos casos. Ora, convenhamos, é um risco enorme; é uma roleta russa.
Ninguém subiria em um avião se ele tivesse 1% de chance de cair. As estatísticas mostram que nos vôos comerciais a chance de um avião cair é de 0,0001%; não se pode por a vida
em risco. Muitos se contaminaram pensando que a camisinha fosse segura.
Crime Dr. Varella é mentir para a juventude dizendo-lhe que a camisinha é segura; não existe o tal “sexo seguro”.
A Igreja – como disse um dia Paulo VI – , é “perita em humanidade”; e ela defenderá sempre a sua dignidade sem medo de ameaças.
Ao invés de ficarmos propondo o uso da “camisinha” , o que temos a fazer é eliminar todas as formas de incentivo ao sexo irresponsável, fomentado de mil maneiras pelos meios de comunicação . Incentiva-se de mil formas a prática sexual pela TV, e depois não se entende porque aumenta tanto a prática dos abortos, Aids, estupros, homossexualismo, crimes sexuais, adolescentes grávidas, etc. Sabemos muito bem que “quando se planta vento colhe-se tempestade”.

Prof. Felipe Aquino – 19 março de 2007Dia de São José, patrono da Castidade

Categorias:Uncategorized

A VERDADE SOBRE A CAMISINHA, FALSA PROTEÇÃO

setembro 21, 2008 1 comentário


“Proteja-se. Use camisinha!” Quem nunca ouviu essa frase. Os meios de comunicação a veiculam a exaustão. Perto do Carnaval essas campanhas chegam a encher o saco. Dizem : “Aproveite o Carnaval, use a camisinha!”,ou seja, transe com quem quiser, a camisinha te protegerá. Pode-se dizer que ela é considerada é um ente quase “graálico”, atualmente. Mas será isso verdade? Será ela tão poderosa assim? A OMS (Organização Mundial da Saúde) e Ministério da Saúde dizem que sim.
A Santa Igreja Católica discorda dessa visão errônea. Tem razões morais e científicas para ter tal opinião, sem contar seus 2.000 anos de História e o fato de ter sido fundada pelo Filho do Altíssimo e ter perpétua assistência do Mesmo e do Espírito Santo, que já lhe dão autoridade suficiente. Acusam a Igreja de ser retrógrada e de ser culpada pela disseminação da AIDS uma vez que não permite o uso da camisinha. Até parece que quem sai transando por qualquer motivo se preocupa com o que a Igreja diz. E a AIDS se espalha mais na África um continente onde somente 15% da população é cristã, a maioria é muçulmana. Veremos então os motivos da Santa Igreja para ser contra a camisinha. Será mostrado que ela é falha.
Moralmente falando, a camisinha fomenta as pessoas ao desregramento sexual. Por acharem que estão protegidas as pessoas (principalmente os jovens) tendem a ter um comportamento pouco decente e prudente. Mesmo que a camisinha fosse infalível ainda assim seria um mal. Pois as pessoas banalizariam o sexo (muito mais ainda). O mundo se tornaria um bacanal. Parece fácil ir contra uma visão mais liberal de sexo. Mas imagine isso na sua vida, seu esposo(a) ou namorada(o) tendo relações com terceiros. Sua filha ou irmã de 15 anos transando com o namorado. Isso não seria problema pois a camisinha os protegeria. Mas é difícil imaginar, não?
Sob o ponto de vista científico. Cito apenas 3 estudos a fim não me delongar.
Em 1992 o dr. Robert F. Carey, pesquisador do FDA (Food and Drug Administration, orgão estadunidense encarregado de aprovar medicamentos, próteses, aditivos alimentares e etc.), introduz microesferas de poliestireno do diâmetro do vírus HIV em preservativos aprovados pela própria FDA e submeteu a uma simulação à pressões semelhantes as de uma relação. 1/3 deles perdeu de 0,4 a 1,6 nanolitros. Numa relação de 2 minutos com um preservativo que perde 1 nanolitro por segundo passariam 12.000 vírus HIV. O HIV é 450 vezes menor que um espermatozóide.
A mesma FDA testou 430 marcas com 102.000 preservativos; 165 fabricadas nos EUA com 38.000 preservativos e 265 marcas estrangeiras com 64.000 preservativos. O resultado da pesquisa verificou que 12% das marcas de estadunidenses e 21% das estrangeiras não tinha um nível suficiente de qualidade. Aceitando essa taxa de defeitos, a probabilidade de falha no caso do preservativo seria de 20,8% anual se mantivessem relações uma vez por semana e de 41,6% se fossem duas vezes por semana. Na França outro estudo, em 2003, efetuado pelo Instituto de Saúde e Pesquisa Médica indica que metade das camisinhas se rompe ou são mal utilizados. Logo 50% das camisinhas não tem eficiência prática, segundo esse estudo, visto que em laboratórios os testes seguem diversas normas o que não acontece aqui fora.
Afirmar que a camisinha é totalmente segura é uma MENTIRA sem tamanho. Por que na dizem isso? Por que batem na Igreja se o que ela diz é verdade? A verdadeira proteção contra AIDS , que não é única mas fundamentalmente transmitida por via sexual, é ter uma vida regrada. Não ceder a paixões e instintos. Somos seres racionais e instintivos e emocionais. Não acredite nas MENTIRAS que todos os meios de comunicação propagam dizendo que a camisinha protege de tudo e, portanto, podemos fazer o que quiser, treparmos com quisermos pois ela nos protegerá. Seja preservativo, não use preservativo. Use a cabeça e tenha uma vida decente.

O Ministério da Saúde já está inaugurando as primeiras 400 “máquinas de camisinha”, nas Escolas públicas, segundo o anúncio do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, durante o 7º Congresso Brasileiro de Prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e Aids, em Florianópolis. O encontro foi promovido pelo Programa Nacional de DST/Aids do Ministério da Saúde. A Igreja não concorda em hipótese alguma com esta medida imoral e inócua; e os nossos Bispos, bem como o Papa, já se manifestaram muitas vezes contra o uso e a distribuição de “camisinhas” para os jovens, por se tratar de um procedimento imoral e que fomenta o uso irresponsável do sexo, deseduca o jovem e faz aumentar ainda mais a contaminação pela AIDS, e também o aumento do número de meninas grávidas, como mostram alguns especialistas. É uma tristeza e uma vergonha que se estimule, mesmo que indiretamente, os nossos filhos à promiscuidade sexual. O jovem cristão jamais deverá usar uma camisinha pelos seguintes motivos: 1 – a vida sexual deve ser vivida apenas no casamento de um homem com uma mulher (Gen 2, 24) unidos em matrimônio. Fora disso a vida sexual é pecaminosa (fornicação ou adultério);2 – o ato sexual entre os casais deve sempre estar aberto `a vida, e não ser impedido por meios artificiais, como a camisinha. Seu uso é imoral em qualquer situação;3 – está mais que comprovado que a camisinha não proporciona o tal “sexo seguro”; muitos pesquisadores afirmam que o vírus da AIDS, por ser cerca de 500 vezes menor que um espermatozóide, pode através o látex da camisinha, especialmente quando há problema de vencimento do prazo, má conservação, más fabricação, etc.
Uganda é o único pais da África que conseguiu até hoje baixar consideravelmente o número de contaminados pelo vírus da AIDS, com uma campanha de fidelidade conjugal e de abstinência sexual antes do casamento. A castidade mostrou os seus frutos. A contaminação caiu de 26% para 6%. Por outro lado, a Àfrica do Sul, esta´ com 30% da população contaminada, mesmo com o derramamento de milhões de camisinhas sobre a população.
O Papa João Paulo II assim se expressou sobre a “camisinha”:“Além de que o uso de preservativos não é 100% seguro, liberar o seu uso convida a um comportamento sexual incompatível com a dignidade humana… O uso da chamada camisinha acaba estimulando, queiramos ou não, uma prática desenfreada do sexo … O preservativo oferece uma falsa idéia de segurança e não preserva o fundamental” (Pergunte ao Papa, Augusto Silberstein, Legnar Informática e Editora Ltda, SP, pg. 57). O teatrólogo francês, católico, Paul Claudel, disse certa vez que: “a juventude não foi feita para o prazer, mas para o desafio”. Se você quer um dia construir uma família sólida, um casamento estável e uma felicidade duradoura, então precisa plantar hoje, para colher amanhã. Ninguém colhe se não semear. Na carta aos gálatas, São Paulo diz: “De Deus não se zomba. O que o homem semeia, isto mesmo colherá.” (Gl 6,7) A gravidade do pecado da impureza é que mancha o Corpo de Cristo. “Ora, vós sois o corpo de Cristo e cada um de sua parte, é um dos seus membros” (1Cor 12,27), diz São Paulo, “… assim nós, embora sejamos muitos, formamos um só corpo em Cristo, e cada um de nós somos membros uns dos outros”. (Rom 12,5)
Já é hora de voltarmos a falar aos jovens, corajosamente, sobre a importância da castidade e da virgindade. A família cristã, diante deste mundo paganizado, é chamada a dar testemunho dessas verdades. Também sobre a homossexualidade, os pais têm o dever de ensinar os filhos o que ensina a Igreja. Muitos pais já estão sendo levados a serem “tolerantes” com o pecado de seus filhos. Isto fere a moral católica e a lei de Deus. Vale a pena recordar as sérias advertências de São Paulo:
“Ou não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo que habita em vós, o qual recebestes de Deus, e que, por isso mesmo, já não vos pertenceis? Porque fostes comprados por um grande preço”. (1 Cor 6,19)“O corpo, porém não é para a impureza, mas para o Senhor e o Senhor para o Corpo: Deus que ressuscitou o Senhor, também nos ressuscitará a nós pelo seu poder”. (1 Cor 6,13). “Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo”. (1 Cor 6,20)“Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá. Porque o templo de Deus é sagrado – e isto sois vós”. (1 Cor 3,16-17)
O Mahatma Gandhi, que libertou a Índia, e que não era cristão, mas amava Jesus, disse essas belas palavras: “A castidade não é uma cultura de estufa… A castidade é uma das maiores disciplinas, sem a qual a mente não pode alcançar a firmeza necessária”. “A vida sem castidade parece-me vazia e animalesca”. “Um homem entregue aos prazeres perde o seu vigor, torna-se efeminado e vive cheio de medo. A mente daquele que segue as paixões baixas é incapaz de qualquer grande esforço”. (Tomás Tochi, “Gandhi, mensagem para hoje”, Ed. Mundo 3, SP, pp. 105ss,1974)
Os homens e mulheres que mais contribuíram para o progresso do ser humano e do mundo, foram aqueles que souberam dominar as suas paixões, e, sobretudo viver a castidade. Fico impressionado de observar como têm vida longa, por exemplo, a maioria dos nossos Bispos católicos, e tantos sacerdotes que sempre guardaram com carinho a castidade. Se ela fosse prejudicial à saúde, não teríamos tantos bispos, padres e freiras, tão idosos, felizes e equilibrados. Santo Agostinho dizia: “se queres ser feliz, sê casto”.
O Estado é laico, mas o povo brasileiro é católico em sua maioria, comprovada pelo Instituto de Pesquisa do próprio governo, o IBGE. Então esse bom povo católico tem o direito que os seus filhos recebam uma educação pública de acordo com os seus bons costumes, que moldaram a nossa Civilização, sem imoralidades. Por isso, é dever e direito dos pais protestarem ordenadamente contra esse absurdo implantado em nossas escolas. Se não o fizerem, seus filhos serão moldados pela mentalidade neo-pagã que domina cada vez a sociedade e o Estado.
Prof. Felipe Aquino .

Categorias:Uncategorized

BIOGRAFIA PAPA JOÃO PAULO II

setembro 21, 2008 Deixe um comentário


Karol Józef Wojtyla, conhecido como João Paulo II desde o seu Octubro 1978 eleição para o papado, nasceu na cidade polaca de Wadowice, uma pequena cidade 50 km de Cracóvia, em 18 de maio de 1920. Ele era o caçula de três filhos nascidos de Karol Wojtyla e Emilia Kaczorowska. Sua mãe morreu em 1929. Seu irmão mais velho Edmund, um médico, morreu em 1932 e seu pai, um não-comissionado oficial militar morreu em 1941. Uma irmã, Olga, tinha morrido antes de ele nascer.

Ele foi batizado em 20 de junho de 1920 na igreja paroquial de Wadowice pelo pe. Franciszek Zak, fez sua Primeira Comunhão aos 9 anos e foi confirmada em 18 anos. Após a formatura de Marcin Wadowita liceu em Wadowice, ele matriculadas em Cracóvia da Universidade Jagiellonian em 1938 e em uma escola de teatro.

As forças nazis em 1939, a universidade fechada eo jovem Karol teve de trabalhar em uma pedreira (1940-1944) e, em seguida, na fábrica química Solvay para ganhar a sua vida e para evitar ser deportado para a Alemanha.

Em 1942, consciente da sua chamada ao sacerdócio, ele começou a cursos no seminário clandestino de Cracóvia, Adam executado pelo Cardeal Stefan Sapieha, arcebispo de Cracóvia. Ao mesmo tempo, Karol Wojtyla foi um dos pioneiros da “Rhapsodic Teatro”, também clandestino.

Após a Segunda Guerra Mundial, ele prosseguiu seus estudos no Seminário Maior de Cracóvia, uma vez que havia reaberto, e na Faculdade de Teologia da Universidade Jagiellonian. Ele foi ordenado ao sacerdócio pelo Arcebispo de Cracóvia Sapieha em 1 de novembro de 1946.

Pouco tempo depois, o Cardeal Sapieha lhe enviou a Roma onde trabalhou sob a orientação do francês Dominicana, GARRIGOU-Lagrange. Ele terminou o seu doutoramento em teologia em 1948 com uma tese sobre o tema da fé nas obras de São João da Cruz (Doctrina de fide apud Santuário Ioannem um Cruce). Nessa época, durante suas férias, ele exerceu o seu ministério pastoral entre os imigrantes polacos da França, Bélgica e Holanda.

Em 1948 voltou à Polônia e foi vigário de diversas paróquias de Cracóvia, bem como capelão para estudantes universitários. Esse período durou até 1951 quando ele assumiu novamente para cima seus estudos de filosofia e teologia. Em 1953 ele defendeu uma tese sobre “Avaliação da possibilidade de fundar uma ética católica sobre o sistema ético de Max Scheler”, na Universidade Católica de Lublin. Mais tarde ele se tornou professor de teologia moral e ética social no Seminário Maior de Cracóvia e na Faculdade de Teologia de Lublin.

Em 4 de julho de 1958, foi nomeado bispo titular de Ombi e auxiliar de Cracóvia por Pope Pius XII, e foi consagrada 28 de setembro de 1958, na Catedral Wawel, Cracóvia, pelo Arcebispo Eugeniusz Baziak.

Em 13 de janeiro de 1964, foi nomeado arcebispo de Cracóvia por Pope Paul VI, que fez dele um cardeal 26 de junho de 1967 com o título de S. Cesareo em Palatio da ordem dos diáconos, mais tarde elevada pro illa vice para o fim de sacerdotes.

Para além de tomar parte no Concílio Vaticano II (1962-1965) onde ele fez uma importante contribuição para a elaboração da Constituição Gaudium et SPES, o Cardeal Wojtyla participou em todas as assembleias do Sínodo dos Bispos.

Os cardeais elegeram-o Papa no Conclave de 16 de Outubro de 1978, e ele tomou o nome de João Paulo II. Em 22 de outubro, o Dia do Senhor, ele inaugurou solenemente o seu ministério petrino como o 263o sucessor do apóstolo. Seu pontificado, um dos mais longos da história da Igreja, durou quase 27 anos.

Impulsionada por sua solicitude pastoral para todas as Igrejas e por um sentimento de abertura e de caridade para toda a raça humana, João Paulo II exerceu o seu ministério petrino com um incansável espírito missionário, ela dedica toda a sua energia. Ele fez 104 visitas pastorais fora da Itália e 146 no interior da Itália. Como bispo de Roma que ele visitou 317 das 333 paróquias da cidade.

Ele tinha mais reuniões do que qualquer um de seus antecessores com o Povo de Deus e com os líderes das nações. Mais de 17600000 peregrinos participaram na audiência geral realizada na quarta-feira (mais de 1160), sem contar outras audiências especiais e cerimônias religiosas [mais de 8 milhões de peregrinos durante o Grande Jubileu do Ano 2000 em paz], e os milhões de fiéis que ele conheceu durante visitas pastorais na Itália e em todo o mundo. Não podemos esquecer também as numerosas personalidades públicas que ele enfrentou durante 38 visitas oficiais, 738 audiências e reuniões com chefes de Estado, e 246 audiências e reuniões com os primeiros-ministros.

Seu amor aos jovens amparamos para estabelecer as Jornadas Mundiais da Juventude. Os 19 WYDs comemoraram durante seu pontificado, reuniu milhares de jovens de todo o mundo. Ao mesmo tempo seus cuidados para a família foi expresso no Mundo Encontros de Famílias, que se iniciou em 1994.

João Paulo II conseguiu estimular o diálogo com os judeus e com os representantes de outras religiões, a quem ele várias vezes convidada para reuniões oração pela paz, especialmente em Assis.

Sob a sua orientação a própria Igreja preparada para o terceiro milénio e comemorou o Grande Jubileu do ano 2000, de acordo com as instruções dadas na Carta Apostólica Tertio Millennio Adveniente. A Igreja, em seguida, enfrentou a nova época, recebendo instruções na sua Carta Apostólica Novo millennio ineunte, na qual ele indicou aos fiéis o seu futuro caminho.

Com o Ano da Redenção, o Ano Mariano e do Ano da Eucaristia, ele promoveu a renovação espiritual da Igreja.

Ele deu um impulso extraordinário ao Canonizations e Beatifications, centrando-se em inúmeros exemplos de santidade como um incentivo para que as pessoas do nosso tempo. Ele comemorou 147 beatificação cerimônia durante a qual ele proclamou Beatos 1338; e 51 canonizations para um total de 482 santos. Ele fez Thérèse do Menino Jesus um doutor da Igreja.

Ele expandiu consideravelmente o Colégio dos Cardeais, criando 231 Cardeais (mais um in pectore) em 9 consistories. Ele também chamado de seis reuniões plenárias do Colégio dos Cardeais.

Ele organizou 15 Assembléias do Sínodo dos Bispos – seis Assembléias Gerais Ordinárias (1980, 1983, 1987, 1990, 1994 e 2001), uma Assembléia Geral Extraordinária (1985) e oito Assembleias Especiais (1980,1991, 1994, 1995, 1997, 1998 (2) e 1999).

Seus documentos mais importantes incluem 14 encíclicas, 15 exortações apostólicas, 11 Constituições Apostólicas, 45 Cartas Apostólicas.

Ele promulgado o Catecismo da Igreja Católica, à luz da tradição autoritária como interpretada pelo Concílio Vaticano II. Ele também reformou os orientais e ocidentais Códigos de Direito Canônico, criou novas instituições e reorganizaram a Cúria Romana.

Como uma empresa privada Doctor ele também publicou cinco livros de sua própria: “Atravessar o Limiar da Esperança” (outubro de 1994), “Dom e Mistério, sobre o quinquagésimo aniversário da minha ordenação como sacerdote” (novembro 1996), “Tríptico romano” poético meditações (março 2003), “Arise, vamos estar indo” (maio 2004) e “Memória e Identidade” (fevereiro 2005).

À luz de Cristo ressuscitado dentre os mortos, em 2 de abril aD 2005, às 9,37 h, enquanto que sabado estava prestes a chegar ao fim e ao Lord’s Day já estava começando, a Oitava de Páscoa e domingo Divina Misericórdia, o amado Pastor da Igreja, João Paulo II, partiram deste mundo para o Pai.

A partir dessa noite até 8 de abril, data do funeral do falecido Pontífice, com mais de três milhões de peregrinos chegaram a Roma para prestar homenagem aos restos mortais do Papa. Alguns deles com mais de 24 horas na fila para entrar St. Peter’s Basilica.

Em 28 de abril, o Santo Padre Bento XVI anunciou que o normal de cinco anos período de espera antes de começar a causa de beatificação e canonização seria aplicada no caso de João Paulo II. A causa foi oficialmente aberto pelo Cardeal Camillo Ruini, vigário geral para a Diocese de Roma, em 28 de junho de 2005.

Categorias:Uncategorized

BIOGRAFIA PAPA JOÃO PAULO I

setembro 21, 2008 Deixe um comentário

1912
Nascido em 17 Oct “Forno di Canale (Belluno), (na verdade em Canale d’Argordo), filho de Giovanni Luciani e Bortola Tancon; foi batizado no mesmo dia em casa, pela parteira, como ele estava em perigo de morte.
19 Oct Batismo foi formalizada na Igreja pelo Vigário, Don Achille Ronzon.

1918
Oct Começou a escola elementar.

1919
26 de setembro foi confirmado pelos Cattarossi Bispo Giosuè.

1923
Oct entrou no seminário menor em Feltre.

1928
Oct entrou no Seminário Gregoriano em Belluno.

1934
Como sub-ordenado diácono.

1935
Segundo 2 ordenado como diácono.
7 julho ordenados para o sacerdócio na Igreja de São Pedro de Belluno.
9 julho Nomeado Vigário da paróquia em Canale d’Agordo.
Transferidos 18 de dezembro como Vigário de Agordo e nomeado instrutor de religião, no Instituto Técnico de Mineiros, em Agordo.

1937
Julho Nomeado vice-reitor do Seminário Gregoriano de Belluno (1937-1947).
Iniciou o seu Octubro serviço como instrutor.

1947
Formado a partir de 27 de fevereiro a Universidade Gregoriana, em Roma com um doutoramento em Sagrada Teologia, sendo a sua tese, “A origem da alma humana, de acordo com Antonio Rosmini”.
Novembro nomeado chanceler da diocese de Belluno pelo Bispo Girolamo Bortignon.
16 de dezembro nomeado Monsenhor.
Nomeado o Diocescan Secretário do Sínodo.

1948
Segundo 2 Nomeada Pró-Vigário Geral da diocese de Belluno.
Catechetics nomeado director do Gabinete da Diocese.

1949
Publicado dezembro Catechetica em briciole.

1950
Publicado março sua tese de doutoramento.

1954
6 fevereiro nomeado Vigário-geral da Diocese de Belluno.

1956
30 de junho Nomeadas Canon da Catedral.

1958
15 de dezembro Nomeado Bispo de Vittorio Veneto por Pope John XXIII.
27 de dezembro Consagrado bispo por João XXIII na Basílica de S. Pedro, juntamente com o recém-consagrado bispos, Gioacchino Muccin e Girolamo Bortignon.

1959
11 de janeiro tomou posse da diocese de Vittorio Veneto
17 de junho começou a sua visita pastoral.

1962
8 outubro – 8 de dezembro estava presente para a abertura do Concílio Vaticano II, em Roma, retornando para sua diocese só por uns dias.

1963
28 de setembro – 4 de dezembro Retorna a Roma para a 2 ª Sessão do Concílio Vaticano II; retornando para sua diocese só por uns dias.

1964
13 de setembro – 21 de novembro Retorna a Roma para a 3 ª Sessão do Concílio Vaticano II.

1965
13 de setembro – 9 dezembro Retorna a Roma para a 4 ª Sessão do Concílio Vaticano II.

1966
16 de agosto – 2 setembro viajou para o Burundi, em missão para a diocese de Vittorio Veneto.

1969
15 de dezembro Nomeado pelo Patriarca de Veneza Pope Paul VI.

1970
1 fevereiro Recebidos cidadania honorária de Vittorio Veneto.
8 fevereiro Oficialmente entrou na cidade de Veneza como Patriarca.
Oct 25 começou sua visita pastoral.

1971
12.14 Made junho uma visita pastoral à Suíça, regressando a título de Sabóia.
28 de setembro – 5 de novembro Pariticipated na II Assembléia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, em Roma sobre “O Sacerdócio ministerial e Justiça no Mundo”, retornando para sua diocese, entre 23 e 31 de outubro.

1972
12.17 junho foi eleito Vice President da Conferência Episcopal Italiana, sustentando esta posição até ao dia 2 de Junho de 1975.
16 de setembro, em Received Pope Paul VI visita a Veneza.

1973
5 março Criado cardeal da Igreja Católica Romana.

1974
27 Setembro – 26 Outubro Participou na III Assembléia Geral Ordinária, em Roma do Sínodo dos Bispos sobre “Evangelização no Mundo Moderno”.

1975
18 de maio Visita Pastoral sobre viajou para a Alemanha.
6.21 novembro Concluída uma Visita Pastoral ao Brasil, onde foi dado o grau honorífico de “honoris causa” da Universidade Estadual de “S. Maria a Rio Grande do Sul”.

1976
Publicado janeiro: Illustrissimi.
10.13 setembro Como um representante oficial da Conferência Episcopal Italiana, participou nas celebrações comemorativas em Spalato, Jugoslávia.

1977
30 Setembro – 29 Outubro Participou na IV Assembléia Geral Ordinária, em Roma do Sínodo dos Bispos sobre “Catechetics no nosso tempo”.

1978
6 de agosto Morte Pope Paul VI.
10 agosto Esquerda para Roma.
26 ago Durante o segundo dia do conclave, eleito Sumo Pontífice da Igreja Católica Romana, escolhendo o nome João Paulo I.
27 de agosto deu ao seu primeiro radiomessage «Urbi er orbi».
3 setembro Cerimônia que inicia o seu serviço pastoral.
Faleceu 28 de setembro.

Categorias:Uncategorized